Lula durante ato unificado das centrais sindicais, no Vale do Anhangabaú, em SP (Foto: Ricardo Stuckert)

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) sancionou hoje (1), a lei que reajusta a tabela do Imposto de Renda. A assinatura aconteceu durante um ato do Dia do Trabalhador, na Zona Leste de São Paulo.

Pela nova lei, a isenção será válida para quem recebe até dois salários mínimos. Ou seja, R$ 2.824 por mês. O teto anterior era de R$ 2.640.

“É muito gratificante para um Presidente da República, no dia 1º de maio, participar de um ato e olhar no olho de cada trabalhador e trabalhadora e poder dizer para vocês: esse país vai tratar com respeito 203 milhões de homens e mulheres que moram neste país”, afirmou Lula.

Cercado por lideranças de centrais sindicais e apoiadores, Lula também defendeu a relação entre o governo federal e o Legislativo, chamando a atenção para o fato de que, no seu entendimento, os projetos considerados prioritários pelo governo, até o momento, foram aprovados.

Ele atribuiu o fato ao que chamou de “competência dos ministros e dos deputados” e defendeu o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha.

Outro destaque do discurso do petista foi a defesa da desoneração da folha de pagamento. Recentemente, o presidente vetou a lei que prorrogava a desoneração até 2027, mas o Congresso derrubou o veto.

“No nosso país, não haverá desoneração para favorecer os mais ricos, e, sim, para favorecer aqueles que trabalham”, disse Lula.

Apesar da presença de Lula no ato, o evento foi marcado pelo baixo comparecimento do público. O fato não passou despercebido pelo presidente, que, durante o discurso, chegou a dizer que o ato de hoje foi “mal convocado”. “Nós não fizemos o esforço necessário para levar a quantidade de gente que era preciso levar”, reconheceu o petista.

Com informações da Carta Capital